quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Reedição da Monografia de Mangualde: Será desta?

Na reunião de 3 de Outubro de 2007 da Câmara Municipal de Mangualde não se discutiu a tal PPP, que muita tinta tem feito correr.

A Câmara Municipal de Mangualde deliberou revogar o protocolo que tinha estabelecido com a Associação Cultural Azurara da Beira (ACAB) e o Sr. Valentim Oliveira (detentor dos direitos de autor da monografia de Mangualde escrita por Valentim da Silva), referente à edição da monografia.

Assim, em breve deverá ser feita a escritura pública para a transmissão dos direitos de autor da monografia doados pelo Sr. Valentim Oliveira e cuja aceitação foi liberada pela CMM na sua reunião de 13 de Junho de 2007. O Sr. Valentim colocou como condição para a doação ter efeito, a edição da obra no prazo de um ano e a sua venda pelo preço mais baixo possível.

Esperemos que seja desta que a Monografia seja editada. Como obra editada pela primeira vez em 1946, trata-se de uma obra já desactualizada mas com valor histórico que justifica a sua reedição.

É importante a reedição destas obras, como também aconteceu, por exemplo, com a obra de Pinto Loureiro sobre o concelho de Nelas e reeditada pela CM de Nelas; ou a obra de Fernando Barros Leite sobre o concelho de Penalva do Castelo e reeditada pela respectiva CM. Mas deveriam ser acompanhadas de notas e comentários que actualizassem alguns dados, de forma a fornecer a quem as lê hoje em dia dados correctos fruto de investigações posteriores. Principalmente em concelhos onde não abundam estudos monográficos sobre a história local, como acontece no concelho de Mangualde, em que a maioria das edições são sobre elementos do seu património cultural.

Para quem não conhece a monografia de Mangualde da autoria de Valentim da Silva, poderá consultar fotocópia da obra na Biblioteca Municipal Dr. Alexandre Alves, em Mangualde.

1 Comment:

al cardoso said...

Eu por acaso (ou nao) conheco e tenho um exemplar ja vai para vinte e cinco anos.
Concordo com o meu amigo, acerca de notas actualizantes para re-edicoes antigas das monografias. Quanto a das "Terras de Algodres" que ja foi re-editada duas vezes o que seria necessario era uma nova, talvez menos complexa nalgumas areas, mas muito mais completa principalmente na area historica, pois desde a sua publicacao na decada de trinta do seculo passado muito mais conhecimento existe nesta area!

Um abraco amigo do d'Algodres.